Devagar...



Máquina de lavar roupa, louça e até carro. Computadores ultra velozes. Conectamos-nos uns aos outros, independente de onde um e outro estejam. Repassamos informações em tempo real para qualquer parte do mundo. Agilizamos o trabalho! Fizemos até a máquina de fotografia digital, que nos poupa tempo de revelar o filme e scannear as fotos. Tudo criado para facilitar o mundo moderno e, teoricamente, termos tempo livre para ficarmos com a família, lermos um bom livro ou até ter uma boa noite de sono. Pura ilusão.

O homem moderno tem insônia, mal fica com os filhos, lê os resumos dos livros pela Internet e espera os filmes sairem em DVD para assistirem em casa, entre um email e outro. No século 21 estamos mais ocupados do que nunca, mais estressados e menos felizes. O que deu errado afinal? Não era para ser assim...

O que faz o homem correr tanto? Li recentemente que esta atitude é por puro preconceito. A pessoa que se dá o direito de aproveitar os momentos de lazer é tida como preguiçosa, lenta, pouco dinâmica, nada pró-ativa (essa palavrinha é terrível!). O pior é que este mesmo homem moderno sabe o preço desta correria. Mais ataques cardíacos, hipertensão, estresse, divórcios, acidentes de trânsito, partos prematuros, síndromes, etc e... continua correndo!

Estou de licença maternidade e como sonhei com isso! Esperava passar as três horas de sono da minha filhinha - entre uma mamada e outra - deitada ao lado dela na cama só olhando o seu rostinho cor-de-rosa. Esperava aproveitar a folga do trabalho para colocar meus blogs em dia, publicar uma crônica por dia, cuidar da pele e do cabelo enquanto ela dormia. Esperei tanto pela licença e hoje.... hoje? Passo o dia correndo de um lado para o outro dentro de casa, como se tivessem me ligado no 220 e o mundo fosse acabar a qualquer momento. Arrumo a casa, faço o almoço, limpo a cozinha, lavo as roupinhas dela, amamento, dou banho, coloco-a para dormir, volto aos afazeres da casa, amamento de novo, troco fralda, aproveito para arrumar aquela gaveta, fazer um bolo...tudo isso com o computador ligado e, entre uma coisa e outra, dou uma olhadinha nas últimas notícias. No final do dia estou exausta e juro que no dia seguinte será diferente.

Por que simplesmente não páro um pouco? Acho que vou comprar o livro Devagar, do escritor canadense, Carl Honoré, lançado este mês no Brasil, cujo objetivo é ensinar o homem moderno a desacelerar.

Posso ler enquanto ela mama, como fiz com o último livro do Diogo Mainardi (A Tapas e Pontapés) - aliás, muito bom!-.

É, acho que sou mesmo um caso perdido.

Comentários

Juliana disse…
Talvez a vida nos faça estressados, não é mesmo?
Tem dias que resolvo entrar em casa e ficar assistindo TV até a hora de dormir... aí me bate um desâmo por não ter nem lavado a louça, arrumado o armário, colocado algumas coisas em ordem, etc... que vida é essa nossa que não nos permitimos descansar, passear, curtir bons momentos sem o peso na consciência de ter deixado alguns afazeres para depois?
Então penso bem e deixo tudo pro dia seguinte mesmo. E se alguém entrar na minha casa, vai pensar que passou um furacão.
E quem se importa???
Bjs
Ju
Juliana disse…
Talvez a vida nos faça estressados, não é mesmo?
Tem dias que resolvo entrar em casa e ficar assistindo TV até a hora de dormir... aí me bate um desâmo por não ter nem lavado a louça, arrumado o armário, colocado algumas coisas em ordem, etc... que vida é essa nossa que não nos permitimos descansar, passear, curtir bons momentos sem o peso na consciência de ter deixado alguns afazeres para depois?
Então penso bem e deixo tudo pro dia seguinte mesmo. E se alguém entrar na minha casa, vai pensar que passou um furacão.
E quem se importa???
Bjs
Ju
Bene disse…
Interessante vc. questionar a questão "tempo". Esta semana recebi um email com o texto abaixo:

VEJA O QUE O SÉCULO XXI ESTÁ FAZENDO COM VOCÊ !!!!!!

1. Você não joga paciência com cartas de verdade há anos, aliás, voce nao sabe jogar paciencia em cartas de verdade.

2. Você pergunta, via e-mail, se seu colega ao lado vai almoçar com você ele responde, por e-mail: "me dá cinco minutos";

3. Você tem 15 números de telefone diferentes para contatar sua família de
3 pessoas;

4. O motivo pelo qual você perdeu o contato com seus amigos e colegas é porque eles têm um novo endereço de e-mail;

5. Você não sabe o preço de um envelope comum;

6. Para você, ser organizado significa ter vários bloquinhos de Post-It de cores diferentes;

7. A maioria das piadas que você conhece, você recebeu por e-mail; (e ainda por cima ri sozinho...).

8. Você fala o nome da firma onde trabalha quando atende ao telefone em sua
própria casa;

9. Você digita o 0 para telefonar de sua casa;

10. Você vai ao trabalho quando ainda está escuro, volta para casa quando já escureceu de novo;

11. Quando seu computador pára de funcionar, parece que foi seu
coração que parou, você fica sem saber o que fazer, sente-se perdido;

... não precisa dizer mais nada, né!!!!
Aline Fallaci disse…
Acredito que a questão seja mesmo cultural. Trabalhamos a semana inteira, e nosso merecido dia de descanso é considerado uma folga. Agora, parem para pensar: o que é uma pessoa folgada??? Espaçosa e preguiçosa são alguns adjetivos. Precisa dizer mais alguma coisa???